sexta-feira, 26 de junho de 2009

Cheap town

Hoje de manhã quando me disseram que íamos ensinar corfebol a crianças numa "cheap town", fiz uma pergunta estúpida. Que é isso?
A tradução é cidade barata, o que nós chamamos um gueto. Neste caso onde vivem mas de 35 mil pessoas, foi-me explicado que, em grande parte do mesmo nem a policia entra.
Nós entramos porque o meu amigo Hein faz nesta zona, trabalho de carácter social há mais de vinte anos e segundo diz, os negros não mordem a mão de quem lhes dá comer.
O cartaz à porta do "Centro Desportivo" não me deixou muito mais seguro de que tudo ia correr bem, mas assim que entramos tudo mudou, tal não foi a maneira quente como fomos recebidos, apesar dos 6 graus.
Em pouco tempo tinha a minha Canon pousada nos degraus do pavilhão à mercê de qualquer um.
Ensinei corfebol a crianças muito pobres sem as mínimas condições, algumas descalças no cimento gelado.
Ocorreu-me logo, "porra, e os meus meninos em Lisboa preocupados com a côr dos seus ténis de marca, alguns a mais de 100€ não combinar com a côr do elástico do cabelo", são realidades diferentes mas dá que pensar!
Experiência muito boa, todos deviam ter.

1 comentário:

sofia disse...

Essa das cores a condizer era para nós :P ?
Diz lá que já não tás com saudades nossas :D!!!
Diverte-te e aproveita ao MÁXIMO:D
e não te esqueças do botão da Canon para vermos os sítios por onde andas:D
Beijinhos Sofia